• Vivian Laube

A CORAGEM DE SER VOCÊ MESMO

Você só é livre quando percebe que não pertence a lugar nenhum — você pertence a todos os lugares.

Maya Angelou


Esta frase inspirou Brené Brown a escrever o livro A Coragem de Ser Você Mesmo, seu último best seller.

Ela conta que foi difícil compreender o verdadeiro sentido de não pertencer a lugar nenhum, já que uma das maiores necessidades humanas é justamente o PERTENCIMENTO.


A busca por pertencer nos conduz a ter e permanecer em relacionamentos por vezes tóxicos e abusivos, não só amorosos, mas familiares, de amizades, de sociedades, de trabalho.


Porque no fundo estamos sempre em busca de ACEITAÇÃO.


Desde criança somos conduzidos a nos comportarmos de acordo com o padrão estabelecido por nossa família, nossa escola, nossa sociedade. Quando não seguimos este padrão somos rotulados como diferentes,

esquisitos, rebeldes. E como queremos ser amados, aceitos e pertencer, nós nos adaptamos e nos moldamos.


A partir daí, perdemos a conexão conosco, com nossos sentimentos, nossas necessidades, nossa autenticidade. E o preço de não sermos quem somos de verdade é alto.


Passamos a engolir sapos, para não entrar em conflitos, a fazer programas que não gostamos, a aceitar situações que nos incomodam, a tolerar pessoas que não agregam em nada.


Mulheres potencializam esta situação, por uma questão cultural e acabam vestindo uma armadura de supermulher acreditando que dar conta de tudo é ser forte, é bonito, é aplaudido, é esperado. Não tem espaço para mimimi.


Romper com tudo isso é o convite para a busca pelo verdadeiro pertencimento.


Mas o que é, afinal, o verdadeiro pertencimento? Brené Brown diz que “não é algo negociado fora de nós, é algo que carregamos dentro do peito. Não requer que você mude; requer que você seja quem é”.


Joseph Campbell escreveu: “se à sua frente se abrir um caminho nítido, com cada passo à mostra, saiba que esse caminho não é seu. O caminho se faz a cada passo dado. É por isso que é seu”.


Para saber se vivenciamos o verdadeiro pertencimento podemos fazer algumas perguntas a nós mesmos como: eu respeito os meus próprios limites? Eu sou confiável? Eu me responsabilizo? Eu peço o que preciso? Sou generoso comigo mesmo?


Se você ainda observa o rosto das pessoas atrás de evidências de que não é bom o suficiente, eu te convido a confiar mais em você mesmo, na sua autoestima, na possibilidade de ser quem é de verdade e mesmo assim, ser amado. Requer coragem, vulnerabilidade e muito, mas muito autoconhecimento.

79 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
LF-Comunicação-Integrada_Logo_ok-1.png
BLOG